Premios Platino agitou Punta del Leste

Punta del Leste, no Uruguai, atraiu os olhares dos amantes do cinema iberoamericano no ultimo domingo, 24. No Brasil, a transmissão foi do Canal Brasil.

Das oito categorias em que estava indicado, “O abraço da serpente” não levou apenas o prêmio de melhor roteiro, que foi o chileno “O clube”, escrito por Pablo Larraín, Guillermo Calderón e Daniel Villalobos.

Além de melhor filme de ficção e melhor diretor (para Ciro Guerra), o longa colombiano levou nas categorias de melhor música original (para Nascuy Linares), direção de som (para Carlos García e Marco Salavarría), edição (para Etienne Boussac e Cristina Gallego), fotografia (para David Galego) e direção de arte (para Angelina Perea).

Jesse & Joy, Alvaro Soler, Diego Torres, Paulina Rubio, Natalia Oreiro foram algumas das apresentações musicais.

Veja abaixo, em negrito os ganhadores dos Prêmios Platino de Cinema Ibero-Americano:

Melhor filme
“O abraço da serpente” (Colômbina, Venezuela e Argentina)
“O clã” (Argentina e Espanha)
“El club” (Chile)
“Ixcanul” (Guatemala)
“Truman” (Espanha e Argentina)

Melhor diretor
Alongo Ruiplacios (“Güeros”)
Cesc Gay (“Truman”)
Ciro Guerra (“O abraço da serpente”)
Pablo Larraín (“El club”)
Pabro Trapero (“O clã”)

Melhor ator
Alfredo Castro (“O clube”)
Damián Alcázar (“Magallanes”)
Guillermo Francella (“O clã”)
Javier Cámara (“Truman”)
Ricardo Darín (“Truman”)

Melhor atriz
Antonia Zegers (“El club”)
Dolores Fonzi (“Paulina”)
Elena Anaya (“La memoria del agua”)
“Inma Cuesta (“La novia”)
Penélope Cruz (“Ma Ma”)

Melhor roteiro
Cesc Gay e Tomás Aragay (“Truman”)
Ciro Guerra e Jacques Toulemonde (“O abraço da serpente”)
Jayro Bustamante (“Ixcanul”)
Pablo Larraín, Guillermo Calderón e Daniel Villalobos (“O clube”)
Salvador del Solar (“Magallanes”)

Melhor animação
“Atrapa la bandera” (Espanha)
“Don Gato 2: El inicio de la pandilla” (México)
“El americano” (México)
“El secreto de Amila” (Espanha e Argentina)
“Un gallo con muchos huevos” (México)

Melhor documentário
“Allende mi abuelo Allende” (Chile e México)
“Chicas nuevas 24 horas” (Espanha, Argentina, Paraguai, Colômbia e Peru)
“El botón de nácar” (Chile e Espanha)
“La once” (Chile)
“The propaganda game” (Espanha)

Melhor edição
César Díaz (“Ixcanul”)
Eric Williams (“Magallanes”)
Etienne Boussac e Cristina Gallego (“O abraço da serpente”)
Jorge Coira (“El desconocido”)
Pablo Trapero e Alejandro Carrillo Penovi (“O clã”)

Melhor direção de arte
Angélica Perea (“O abraço da serpente”)
Bruno Duarte e Artur Pinheiro (“As mil e uma noites: Volume 2, o desolado”)
Jesús Bosqued Maté e Plar Quintana (“La novia”)
Sebástian Orgambide (“O clã”)

Melhor direção de fotografia
Carlos García e Marco Salavarria (“O abraço da serpente”)
David Machado, Jaime Fernández e Nacho Arenas (“El desconocido”)
Eduardo Cárceres e Julien Cloquet (“Ixcanul”)
Federico Esquerro, Santiago Fumagalli e Edson Secco (“Paulina”)
Vicente D’Elía e Leandro de Loredo (“O clã”)

Melhor música original
Alberto Iglesias (“Ma Ma”)
Federico Jusid (“Malgallanes”)
Lucas Vidal (“Nadie quiere la noche”)
Nascuy Linares (“O abraço da serpente”)
Pascual Reyes (Ixcanul”)

Melhor direção de som
Carlos García e Marco Salaverría (“O abraço da serpente”)
David Machado, Jaime Fernández e Nacho Arenas (“El desconocido”)
Eduarco Cáceres, Julien Cloquet (“Ixcanul”)
Federico Esquerro, Santiago Fumagalli e Edson Secco (“Paulina”)
Vicente D’Elía e Leandro de Loredo (“O clã”)

Prêmio Platino Camilo Vives a longa de estreia de seu diretor
“600 milhas” (México)
“El desconocido” (Espanha)
“El patrón: Radiografía de un crimen” (Argentina e Venezuela)
“Ixcanul” (Guatemala)
“Magallanes” (Peru, Colômbia, Argentina e Espanha)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *